voltar à pagina inicial
 
 
RSS Facebook Twitter
   

>> O País
>> História e Cultura
>> Economia
>> Tabela Estatística
>> Links Úteis
>> Notícias

>> Objetivos do Milénio
>> Sons e Imagens
>> Rádios
>> Curiosidades

Economia da Guiné-Bissau


A Guiné-Bissau é um dos cinco países mais pobres do mundo, que depende, essencialmente, da pesca e da agricultura.

A cultura de castanha-de-caju aumentou consideravelmente nos últimos anos, e fez com que o país alcançasse o sexto lugar no ranking de produção do caju. Esta atividade é a que proporciona maior rendimento às famílias e comunidades rurais e é o produto mais exportado. E por isso, o desempenho neste setor determina a situação económica global das zonas rurais do país, bem como da sua segurança alimentar.  A Guiné-Bissau exporta peixe e mariscos, pequenas quantidades de amendoins, semente de palma e madeira. O arroz é a principal colheita e o alimento mais importante para a população guineense.

A luta intermitente entre tropas do governo e uma junta militar destruiu a maior parte da infra-estrutura do país e causou um grande dano à economia em 1998. A guerra civil levou à queda de 28 por cento do PIB naquele ano, com a recuperação parcial em 1999-2002. Antes da guerra, a reforma comercial e a liberalização dos preços foram a parte mais próspera do programa de ajuste estrutural do país, no âmbito do apoio por parte do Fundo Monetário Internacional.

O aperto da política monetária e o desenvolvimento do sector privado também tinha começado a fortalecer a economia.

Devido aos preços elevados, o desenvolvimento de petróleo, o fosfato e outros recursos minerais não se assumem como soluções de desenvolvimento de curto prazo.

Em Dezembro de 2003, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e o PNUD foram forçados a intervir com o suporte orçamental de emergência no valor total de 107 milhões de dólares em 2004, um valor que representa mais de 80 por cento do orçamento nacional total.

A desigualdade na distribuição do rendimento é uma das mais extremas do mundo. De acordo com o Banco Mundial, 69,3 por cento da população vive abaixo do limiar de pobreza (2010).

Em resultado ao Golpe de Estado que ocorreu em Março de 2012, as exportações da castanha de caju não só diminuíram fortemente, como o preço pago aos produtores pelos intermediários baixou bastante.  É devido à grande  instabilidade política que se vive neste país, que a economia não se desenvolve, fazendo com que a Guiné-Bissau dependa fortemente da ajuda externa, nomeadamente do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional. A Guiné-Bissau encontra-se em 177º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano do PNUD de 2014.

Fontes:

Guiné-Bissau

CIA - The World Factbook

The World Bank

   
     
IPAD Fundação Calouste Gulbenkian Montepio Geral
 
Jogue aqui RSS Facebook Twitter Angola Moçambique Guine-Bissau Cabo Verde  S. Tomé e Príncipe Jovens Crianças